Confinamento e quarentena deverão ser prorrogados na França e na Itália


Franceses que continuam saindo às ruas são imbecis e uma ameaça para si mesmos, declarou o ministro do Interior da França, Christophe Castaner. Estrada vazia na França com painel que pede para que se evite contatos, em 19 de março de 2020
Damien Meyer / AFP
Autoridades de saúde da França afirmaram nesta quinta-feira (19) que será necessário prolongar o confinamento no país além dos 15 dias previstos inicialmente.
Na Itália, o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, afirmou que o país deve estender a quarentena imposta a todos os seus cidadãos para além de 3 de abril, data prevista até o momento (veja abaixo).
PANDEMIA: veja quais países já registraram casos da doença
GUIA ILUSTRADO: sintomas, transmissão e prevenção
CORONAVÍRUS: veja perguntas e respostas
O avanço da epidemia “depende da adoção das medidas de barreira e contenção decretadas”, afirmou a diretora geral da Agência de Saúde Pública da França, Geneviève Chêne, à rádio FranceInfo.
Ela disse acreditar que a pandemia registrará um “importante” recesso “dentro de duas ou quatro semanas”.
Itália tem 2.978 mortos e quase 36 mil casos confirmados de coronavírus
Apesar da instauração de medidas de confinamento desde terça-feira (17) ao meio-dia em todo país, que restringem a circulação das pessoas, alguns franceses continuam saindo às ruas.
“Alguns consideram que são pequenos heróis quando violam as regras. Mas não, são imbecis e sobretudo uma ameaça para si mesmos”, declarou nesta quinta-feira o ministro do Interior da França, Christophe Castaner.
De acordo com as medidas impostas pelas autoridades francesas, os cidadãos podem sair apenas para trabalhar (quando não têm condições de trabalhar à distância), ir ao médico, fazer compras ou praticar exercícios, mas neste último caso apenas sozinhos e perto de casa.
A França registra 9.134 contágios e 89 mortos pela COVID-19, segundo o balanço oficial de quarta-feira (19).
Quarentena na Itália
Giuseppe Conte, o primeiro-ministro da Itália, disse ao jornal “Corriere della Sera” que vai estender a quarentena. É inevitável que medidas como a proibição de reuniões e o fechamento de escolas tenham que ser mantidas por mais tempo, afirmou.
De acordo com ele, o país evitou o colapso do sistema e as medidas restritivas estão funcionando. “É óbvio que quando atingirmos um pico e o contágio começar a diminuir, pelo menos em porcentagem, espera-se que em poucos dias, não seremos capazes de voltar imediatamente à vida de antes. De momento não é razoável dizer mais, mas é claro que as medidas que tomamos, tanto a que fechou grande parte das atividades empresariais e individuais no país, como a que diz respeito à escola, terão de ser prorrogadas”, disse o premiê, segundo a RFI.
Nas próximas duas semanas deve ser apresentado um pacote de estímulo econômico.
Initial plugin text

Distribuição / Melhor Hoje / Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *