Preços do petróleo caem pela 4ª semana seguida


Valor de referência nos EUA, do petróleo WTI, teve perda de 29% na semana, a mais acentuada desde o início da Guerra do Golfo em 1991. O preço do petróleo nos Estados Unidos recuou 10,7% nesta sexta-feira (20) e consolidou o maior declínio semanal desde a Guerra do Golfo de 1991, conforme a pandemia de coronavírus afeta a demanda global e depois de autoridades de Washington afirmarem que um enviado irá à Arábia Saudita para lidar com as consequências da guerra de preços entre o país asiático e a Rússia.
Preços do petróleo desabam na semana
Gregory Bull, File/AP
A semana teve quatro dias de enormes baixas, uma vez que a crescente pandemia impede as pessoas de dirigir e reservar voos. Grandes empresas, como a trading Vitol e a IHS Markit, afirmaram que a demanda por petróleo pode cair em até 10%. Os preços tiveram uma alta significativa na quinta-feira, após dias de vendas em série, mas o rali não perdurou.
O valor de referência nos EUA, do petróleo WTI, teve perdas de 29% na semana, as mais acentuadas desde o início da Guerra do Golfo em 1991. O petróleo Brent, enquanto isso, cedeu 20%. Ambos os contratos de referência acumulam quatro semanas seguidas de quedas.
Nesta sexta-feira, Brent fechou em queda de US$ 1,49, ou 5,2%, a US$ 26,98 por barril. Os futuros do petróleo dos EUA para abril recuaram US$ 2,69, ou 10,7%, a US$ 22,53 o barril. O contrato expirou nesta sexta-feira. O vencimento mais ativo do WTI, para maio, teve queda de US$ 3,28, ou 12,7%, para US$ 22,63 o barril.
“Com a economia parando cada vez mais, fica claro que a destruição de demanda continuará a crescer. Quaisquer que sejam os esforços para cortar produção nos EUA e investimentos, não são suficientes neste momento”, disse o sócio da Again Capital Management em Nova York, John Kilduff.

Distribuição / Melhor Hoje / Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *