black Friday melhor hoje ofertas e promocoes

A Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU) é o colegiado que regula a instalação de estátuas temporárias na cidade. Um pedido para autorização no órgão só foi protocolado depois que o g1 questionou a gestão municipal e as empresas envolvidas. A B3 diz que tem autorização de outros órgãos municipais. Pessoas acompanham a inauguração de escultura de um touro dourado em frente à sede da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), no Centro de São Paulo, nesta terça-feira (16).
BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO
A instalação da estátua do Touro de Ouro em frente à Bolsa de Valores de São Paulo (B3) não foi submetida à Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), órgão da Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL) que regula e autoriza a implantação de esculturas, estátuas e mobiliário urbano temporários na capital paulista, como revela com exclusividade o g1.
O colegiado, composto por representantes da sociedade civil, empresários e membros da própria gestão municipal, é a instância máxima que analisa a inserção de novos elementos na paisagem urbana da cidade, adequando-os à Lei Cidade Limpa.
Eventos como o EarParade ou a CowParade, que também tiveram estátuas espalhadas pela cidade em outros anos, com características semelhantes ao Touro de Ouro da rua XV de Novembro, foram submetidos ao órgão antes da exposição na cidade.
Contudo, até a quinta-feira (18), quando o g1 acionou os responsáveis pela estátua do Touro de Ouro, não havia nem sequer um pedido de análise protocolado no órgão para que a exposição da estátua no Centro de São Paulo fosse autorizada.
Touro dourado colocado na Rua 15 de Novembro, em frente à B3 (Bolsa de Valores), no centro de São Paulo (SP), foi alvo de protestos contra a fome pelo segundo dia consecutivo
RONALDO SILVA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Na noite da sexta-feira (19), a prefeitura afirmou que a empresa DMAISB Arquitetura e Construção, que cuidou do licenciamento da estátua, deu entrada em um pedido de apreciação da CPPU, que será analisado na próxima reunião do colegiado, ainda sem data marcada.
“A Secretaria Municipal de Urbanismo e Licenciamento (SMUL) informa que recebeu nesta sexta-feira (19) solicitação de manifestação sobre a intervenção urbana com exposição temporária em questão. A Comissão de Proteção da Paisagem Urbana (CPPU) se manifestará sobre o pedido em sua próxima reunião, com data a definir”, declarou a gestão municipal.
A Bolsa de Valores (B3) também afirmou que o Touro de Ouro possui as autorizações vigentes dos órgãos municipais para sua instalação, como da Subprefeitura Sé e do Departamento do Patrimônio Histórico (DPH), da Secretaria Municipal da Cultura, para exposição em logradouro público, como evento temporário (veja mais abaixo).
Leia também:
Touro de Ouro da Bolsa de Valores, no Centro de SP, é alvo de protesto pelo 2º dia consecutivo
B3 inaugura escultura do Touro de Ouro no centro histórico de São Paulo
ONG faz churrasco para moradores de rua em frente a Touro de Ouro da Bolsa de Valores, no Centro de SP
Irregularidades
Entretanto, urbanistas apontam que o Touro de Ouro não é um evento temporário e tem todas as características de uma estátua ou monumento.
“Independente da autorização da Subprefeitura e do DPH, existe uma série de licenças que precisam ser solicitadas nesses casos. A autorização da CPPU é uma delas. A Comissão tem poder de veto, e o touro não poderia ter sido instalado sem essa autorização. Nós entendemos que a estátua está irregular e precisa ser retirada e multada até que o devido aval seja dado pela CPPU”, afirmou o presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), Fernando Túlio Rocha Franco.
O IAB é uma das entidades que fazem parte da Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU), e que é composta por 16 representantes. O presidente do instituto afirmou que a entidade já acionou a prefeitura por e-mail, assim que soube da falta de aval da CPPU. Ele defende que o touro seja retirado do espaço público até que o colegiado aprecie a questão.
O urbanista Kazuo Nakano e o presidente do IAB, Fernando Tulio Rocha Franco.
Montagem/g1
O ex-diretor de Urbanismo da Prefeitura de São Paulo, Kazuo Nakano, também afirmou que a instalação do Touro de Ouro sem o aval da comissão de paisagem urbana municipal configura irregularidade à Lei Cidade Limpa até que o aval seja dado pelo órgão.
“Entre as atribuições da CPPU está a adequação do uso do espaço público à Lei Cidade Limpa para todo tipo de mobiliário urbano em logradouros públicos. Sem a autorização do colegiado, existe justamente uma infração à Lei Cidade Limpa que é claramente passível de multa”, afirmou.
“Esse caso do Touro de Ouro é ainda mais complicado, porque existe uma discussão se ele é um objeto de propaganda de uma empresa ou é realmente uma obra de arte. A atribuição da CPPU é justamente debater esse limiar entre estátuas e propagandas na cidade, regulando a questão”, explicou Nakano.
Documentos obtidos pelo g1 apontam que a DMAISB Arquitetura e Construção, empresa que fez a produção da escultura e o licenciamento, pagou R$ 5.652,79 para a Prefeitura de São Paulo, taxa referente ao uso e à ocupação do solo, exigida por meio do Documento de Arrecadação do Município de São Paulo (DAMSP).
O que dizem as partes
Por meio de nota, a Prefeitura de São Paulo, através da Subprefeitura Sé, informou que o tempo previsto para a exposição do Touro de Ouro na rua XV de Novembro é de 15/11/2021 a 15/2/2022, totalizando 92 dias.
Pela resolução da CPPU 005/2016, esse tipo de intervenção urbana “poderá permanecer no logradouro público por até 30 dias, não prorrogáveis” (veja a resolução aqui).
A gestão Ricardo Nunes (MDB) afirma que a legislação que embasa o procedimento adotado para a estátua na frente da B3 é o Decreto 49.969/08, que diz que “o Alvará de Autorização para eventos públicos e temporários terá validade máxima de 6 (seis) meses, podendo ser prorrogada, por igual período, uma única vez, dependendo de novo recolhimento do valor devido, nos termos da Lei nº 11.228, de 1992”.
A B3, por meio de nota, também informou que “a escultura ‘Touro de Ouro’ possui autorizações vigentes dos órgãos municipais para sua instalação, requisitadas pela empresa Dmaisb Arquitetura e Construção, uma das integrantes do projeto”.
“A empresa Dmaisb obteve alvará da Prefeitura de São Paulo, emitido pela Subprefeitura Sé (processo 6056.2021/0005279-8), com validade de 15/11/2021 (data em que a escultura foi instalada na rua XV de Novembro) a 15/2/2022. Também teve autorização do Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal da Cultura para exposição em logradouro público, como evento temporário, durante o período de 1/10/2021 a 31/12/2021”, disse a empresa.
Inauguração de escultura de um touro dourado em frente à sede da Bolsa de Valores de São Paulo (B3), no Centro de São Paulo, nesta terça-feira (16).
BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO
A DMAISB Arquitetura e Construção foi procurada por e-mail, através de seu dirigente, o arquiteto e artista plástico Rafael Brancatelli – responsável pela produção do touro – mas não obteve resposta até a última atualização dessa reportagem.
Documentos registrados na Prefeitura de São Paulo apontam que a empresa recebeu R$ 350 mil da B3 para realizar o projeto. Nem ele e nem a B3 comentaram o valor do negócio.
Documento que aponta o valor pago pela B3 à empresa responsável por confeccionar o Touro de Ouro.
Reprodução
Estátua ou evento?
O urbanista Kazuo Nakano aponta que há uma confusão dentro da própria Prefeitura de SP sobre o que é a estátua e qual o intuito dela.
“A legislação que rege o mobiliário urbano é meio confusa mesmo e tem várias instâncias que precisam ser consultadas, dependendo de onde a estátua é instalada. Acho que uma regulamentação precisa ser feita urgentemente sobre o assunto e já foi discutido isso em vários seminários da FAU-USP. Mas claramente o touro é uma estátua ou escultura temporária, e não um evento temporário. Portanto, tem que ser regulado pela CPPU”, afirmou.
O economista Pablo Spyer, sócio da empresa Touro Inc com a XP Investimentos, faz propaganda da empresa em uma emissora de TV de São Paulo.
Reprodução/Youtube
O ex-secretário de Cultura de São Paulo Nabil Bonduki, que é urbanista e também ex-vereador pelo PT, aponta que a ligação entre a estátua do touro com a marca da empresa Touro Inc, do economista Pablo Spyer e da XP Investimentos, que patrocinaram o monumento, é o que causa toda a confusão do licenciamento.
“Se fosse um monumento permanente, a secretaria de Cultura tem a regulação própria. Mas essa proximidade com a logomarca da empresa que patrocinou a estátua configura propaganda sim. E é bem possível que CPPU barre o monumento ao discutir o assunto, porque o monopólio da propaganda em mobiliário da cidade é da empresa que ganhou a licitação”, afirmou Bonduki.
Postagem de Pablo Spyer, CEO da Touro INC, patrocinadora do Touro de Ouro, na frente da B3.
Reprodução
Embora o Touro seja símbolo do mercado financeiro no mundo tudo, nas redes sócias, Pablo Spyer, CEO da Touro Inc, é o mais entusiasmado com o monumento.
Neste domingo (21), depois de várias protestos contra a fome tendo o touro como alvo durante a semana, ele apareceu em um vídeo pedindo para que as pessoas que fossem visitar o boi no Centro doassem alimentos paras as entidades que cuidam dos moradores de rua da região.
No vídeo, ele apareceu com uma camiseta com a logomarca da empresa dele e também um touro dourado no meio. Ele também usa a mesma marca em um programa sobre o mercado financeiro.
Pablo Spyer, CEO da Touro Inc, em vídeo gravado no domingo, 21 de novembro, no Centro de São Paulo.
Reprodução/Twitter
Infográfico da Prefeitura de São Paulo explica o que é a Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU).
Reprodução
VÍDEOS: Tudo sobre São Paulo e região metropolitana

Melhor Carteira Bitcoins conta gratis

binance-wallet-bitcoin-brasil

Distribuição / Melhor Hoje / Fonte Google News