Bolsas dos EUA caem com coronavírus forçando paralisação das atividades


Dow Jones Industrial Average recuou 3%, para 18.598,4 pontos, o S&P 500 perdeu 2,84%, para 2.239,37 pontos. Um operador é visto durante o fechamento na Bolsa de Nova York.
Bryan R. Smith/AFP
A queda de Wall Street se aprofundou nesta segunda-feira (23), com a rápida propagação do coronavírus forçando mais Estados dos Estados Unidos a paralisarem as atividades, ofuscando as medidas sem precedentes do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) para impulsionar o crédito em toda a economia.
Com base nos mais recentes dados disponíveis, o Dow Jones Industrial Average recuou 3%, para 18.598,4 pontos, o S&P 500 perdeu 2,84%, para 2.239,37 pontos e o Nasdaq Composite sofreu retração de 0,24%, para 6.863,14 pontos.
Medidas de estímulo
O Federal Reserve adotou nesta segunda uma extraordinária série de programas para compensar as “graves perturbações” na economia causadas pelo surto de coronavírus, apoiando uma gama sem precedentes de crédito para famílias, pequenas empresas e grandes empregadores.
Os novos programas significam que o Fed garantirá empréstimos estudantis, empréstimos com cartão de crédito e empréstimos garantidos pelo governo norte-americano a pequenas empresas.
Além disso, comprará títulos de grandes empregadores e fará empréstimos a eles no que equivale a quatro anos de financiamento. Um novo programa que concederá crédito a pequenas e médias empresas também será anunciado “em breve”, afirmou o Fed.
Apesar dos estímulos, a rápida expansão do coronavírus ofuscou essas medidas. O anúncio das medidas extraordinárias elevou, brevemente, os futuros do índice de ações norte-americanas antes mais cedo no pregão desta segunda-feira, mas o número crescente de mortos pelo Covid-19 e uma série de paralisações em mais Estados dos EUA rapidamente levaram os principais índices para o vermelho, colocando o S&P 500 ao ritmo de seu pior mês desde a Segunda Guerra Mundial.
“O que o Fed fez é importante porque ajuda nos mercados de crédito. Mas não é suficiente do ponto de vista do mercado de ações”, disse Willie Delwiche, estrategista de investimentos da Robert W. Baird em Milwaukee.
“O que precisamos agora é de liderança no Congresso para aprovar algum tipo de lei de estímulo, porque o que o Fed está fazendo é aliviar alguns problemas, mas isso não é suficiente para resolver o que está por aí”.
Investidores esperavam que o Senado norte-americano aprovasse um pacote de estímulo ao coronavírus em mais de US$ 1 trilhão de dólares no fim de semana, mas democratas e republicanos ainda estavam tentando chegar a um acordo.
Maryland, Ohio, Louisiana e Delaware juntaram-se a Nova York e Califórnia ao solicitarem às pessoas que fiquem em casa, prenunciando uma quase interrupção da atividade econômica e mais sofrimento para as ações dos EUA e levando vários analistas a reduzir suas previsões de crescimento.
O Goldman Sachs espera uma contração real do Produto Interno Bruto (PIB) global em 2020 na esteira de um tombo de 24% do PIB real dos EUA no segundo trimestre: duas vezes e meia superior à queda recorde do pós-guerra.
Coronavírus: um em cada três americanos está em isolamento forçado nos EUA

Distribuição / Melhor Hoje / Fonte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *