black Friday melhor hoje ofertas e promocoes

É a 1ª vez em 4 anos que os principais partidos da oposição participarão de uma eleição na Venezuela, após diversos pleitos terem sido boicotados em meio a denúncias de fraude. Cartazes eleitorais promovendo a candidata da oposição ao conselho municipal Luisana Uzcategui desfiguram cartazes do candidato governamental Hector Rodriguez, em Caracas, capital da Venezuela, em 19 de novembro de 2021
Ariana Cubillos/AP
O sistema eleitoral da Venezuela será colocado à prova neste domingo (21), com milhões de eleitores indo às urnas para as eleições regionais que estão sob o olhar atento da comunidade internacional.
A votação está sendo acompanhada por mais de 130 monitores internacionais — a maioria da União Europeia —, atendendo a uma antiga reivindicação dos adversários do presidente Nicolás Maduro.
É a primeira vez em quatro anos que os principais partidos da oposição participarão de uma eleição do país, após diversos pleitos terem sido boicotados em meio a denúncias de fraude e repressão a candidatos.
VEJA TAMBÉM: Chile tem 1ª eleição presidencial em 16 anos sem Piñera nem Bachelet
Mais de 21 milhões de venezuelanos estão aptos a votar nos mais de 70 mil candidatos para preencher mais de 3 mil cargos, incluindo 23 governadores e 335 prefeitos. Não há escolha para presidente pois o mandato de Maduro vai até 2025.
Legitimidade das eleições
O que está em jogo é a legitimidade do Conselho Eleitoral Nacional, que muitas vezes foi acusado de estabelecer condições favoráveis ​​aos aliados de Maduro, por suas decisões de desqualificar partidos e alguns dos candidatos mais populares da oposição.
Observadores internacionais estão espalhados por toda a Venezuela para observar as condições eleitorais e devem apresentar um relatório preliminar sobre o pleito no início da próxima semana (e uma análise detalhada em 2022).
É a primeira vez em 15 anos que observadores da União Europeia estão na Venezuela. Nas eleições anteriores, os observadores internacionais eram realizadas por organizações próximas do governo venezuelano.
Oposição enfraquecida
Historicamente, a participação eleitoral tem sido baixa nas eleições estaduais e municipais na Venezuela (com uma abstenção que oscila em torno de 70%).
Independentemente do nível de comparecimento dos eleitores, o pleito deste domingo pode marcar o surgimento de novos líderes da oposição, consolidar alianças e traçar os limites a serem seguidos pelos adversários de Maduro.
Isso porque a oposição chega à eleição dizimada por fraturas internas, sem conseguir vencer os herdeiros políticos do falecido presidente Hugo Chávez há anos.
Félix Seijas, diretor da empresa de pesquisas estatísticas Delphos, diz que a eleição vai mostrar quem, em última análise, “é a segunda força” do país — e qual segmento da oposição a representa.
“O que vamos ver é uma luta pelo segundo lugar porque o segundo lugar significará simbolicamente qual oposição deve ser a mais combatida [pelo governo], a que terá um peso”, afirma Seijas.
VÍDEOS: as últimas notícias internacionais

Melhor Carteira Bitcoins conta gratis

binance-wallet-bitcoin-brasil

Distribuição / Melhor Hoje / Fonte Google News