Melhor Carteira Bitcoins conta gratis

binance-wallet-bitcoin-brasil

Vacinas que usam tecnologia de RNA mensageiro são melhores para reforço
Johan Nilsson/TT News Agency via Reuters – 17.02.2021

O reforço das vacinas contra a Covid-19 produzidas pela Pfizer e pela Moderna, ambas com a tecnologia de RNA, fornece maior impulso aos níveis de anticorpos quando administradas entre 10 e 12 semanas após a segunda dose, de acordo com novo estudo britânico.

O estudo “COV-Boost” foi citado por funcionários britânicos quando anunciaram que a Pfizer e a Moderna eram as preferidas para uso na campanha de reforço da nação, mas os dados só foram divulgados publicamente agora. 

A pesquisa descobriu que seis dos sete reforços examinaram a imunidade aumentada após a vacinação inicial com a vacina da Pfizer-BioNTech, enquanto todos os sete aumentaram a imunidade quando administrados após duas doses da vacina da AstraZeneca.

“Uma terceira dose será eficaz para muitas das vacinas que testamos e em muitas combinações diferentes”, disse o professor Saul Faust, imunologista da Universidade de Southampton e líder do estudo.

O estudo, publicado na noite desta quinta-feira (2), descobriu que uma dose completa ou meia dose de Pfizer ou uma dose completa de Moderna deram um forte impulso aos níveis de anticorpos e células T, independentemente de a pessoa ter inicialmente recebido Pfizer ou AstraZeneca.

“Todos os quatro regimes de vacinação mais amplamente implantados no Reino Unido levam essencialmente aos mesmos níveis de imunidade e provavelmente são igualmente eficazes”, disse a professora Eleanor Riley, imunologista da Universidade de Edimburgo. Ela acrescentou que uma mudança de política nas lacunas de reforço também foi apoiada pelos dados.

“Esses dados apoiam a decisão do JCVI (comitê de vacina) no início desta semana de antecipar as doses de reforço para três meses após a segunda vacinação.”

Quando a AstraZeneca, Novavax, Janssen e CureVac foram administradas como reforços, elas aumentaram os níveis de anticorpos para ambas as vacinas iniciais, embora em um grau menor, concluíram os pesquisadoreso estudo.

No entanto, embora a Valneva (imunizante feita com vírus atenuado ainda em fase de teste na Europa), tenha aumentado os anticorpos em pessoas inicialmente vacinadas com AstraZeneca, ela não forneceu um reforço à Pfizer.

Leia também
  • Perda de visão causada por descolamento de retina é reversível

  • OMS: não há morte vinculada à variante Ômicron até o momento

  • Diretor da OMS defende criação de acordo comum para prevenir pandemias futuras

O estudo COV-Boost foi anterior à disseminação da emergente variante Ômicron, e o professor Faust disse que compartilhou amostras com a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido para gerar dados sobre a nova cepa. 

O estudo descobriu, no entanto, que as doses de reforço também ajudaram a gerar uma ampla resposta das células T contra as variantes Beta e Delta, que podem desempenhar um papel fundamental na proteção de longo prazo.

Um estudo separado do Imperial College London sobre como a exposição inicial ao Sars-CoV-2 molda as respostas imunológicas, também publicado na noite de quinta-feira, encontrou uma boa resposta das células T tanto para Alfa quanto para Delta após a infecção seguida de vacinação.

Veja também
  • OMS: 62% dos casos da Ômicron estão na África do Sul e Botsuana

    Saúde

    OMS: 62% dos casos da Ômicron estão na África do Sul e Botsuana

  • Por que crianças também precisam fazer exame de colesterol? Entenda

    Saúde

    Por que crianças também precisam fazer exame de colesterol? Entenda

  • CoronaVac é segura e eficaz para crianças, aponta Instituto Butantan

    Saúde

    CoronaVac é segura e eficaz para crianças, aponta Instituto Butantan

Distribuição / Melhor Hoje / Fonte Google News